9 de janeiro de 2013

Texto retirado do Blog Lasciva.

“Pois bem, eis a minha história: Aos 8 anos mais ou menos descobri as maravilhas de tocar meu ânus. Era quase diário, durante o banho. Eu não chegava a gozar, mas sentia muito prazer. Às vezes estimulava junto com meu pau e ia à loucura. Até que começou bater um sentimento de culpa. Passei a achar que era viadagem. E foi se tornando cada vez mais esporádico.

Continuei com a masturbação “normal”, estimulando o pênis. Mas, claro, volta e meia eu tinha alguma recaída. E em pouco tempo, por volta dos 10 anos, a coisa começou a perder a graça, sendo necessário ir para brinquedos maiores: tubo de desodorante, tubo de shampoo… 2,3,4, 5 dedos - praticamente um fisting. Cheguei a utilizar coisas de cerca de 6 cm de diâmetro, que entravam sem necessitar de muito trabalho. Foi nessa etapa que comecei sentir orgasmo anal. E, então, até antes de começar a namorar, masturbava-me pelo ânus com a frequência de uma ou duas vezes no mês. Nunca, em nenhum momento, tive desejo por homens. Jamais sequer imaginei algum cara me pegando, ou fantasiei isso enquanto me estimulava. O que acontece na hora é apenas um tesão enorme, seguido de uma gozada incomparável.

Nos últimos quatro anos, envolvi-me em um namoro sério – com uma mulher, é claro. Moramos juntos há dois anos e a frequência com que faço masturbação anal diminuiu muito. A última vez deve fazer uns três meses ou mais. E sempre rola sozinho, sem ela saber. Quando fomos a uma sex shop, dei a ela um consolo de 19×6 cm - que utilizamos nela em nossas brincadeiras. Em pouco tempo não resisti e decidi utilizar. Vesti nele uma camisinha e mandei ver. Gozei tanto que caí no chão do box.

Revelei à minha mulher este meu segredo (não sei porque fiz essa merda, mas enfim) e ela não achou muito estranho. Na época, ela estava lendo coisas sobre sexo anal, interessada em fazer comigo. Por minha sorte, nessas leituras, ela encontrou muitas coisas sobre masturbação anal masculina – que a próstata é o ponto G masculino e blá blá blá. O assunto com ela morreu nesse dia e nunca mais tocamos no tema. Pouco tempo depois, ela me deu o cu e foi bom demais. Eu já sabia o tanto de cuidado e jeito que se deve ter para estimular o ânus e provoca apenas prazer, sem dor. Ajudou a entender como não machucá-la e a lidar com cuidado. Ela adorou. Chegou ao orgasmo rebolando no meu pau.

Bom, em toda essa minha experiência, questiono o que dizem de sexo anal - que o ânus não tem lubrificação. Nunca usei KY, saliva ou qualquer outro tipo de lubrificante. Basta acariciar a região, introduzir o dedo, estimular, que fica lubrificado e posso me divertir sem dor e sem me machucar. Já soube de mais alguém que sente o mesmo? Gozo sem precisar estimular o pênis, e quando acontece saem jatos fortíssimos de esperma, muito mais do que no sexo habitual.

E quanto a minha relação com minha namorada, tudo ocorre normal. Ela não sabe quando eu faço isso, e eu também raramente sinto necessidade. Nossa relação é normal, e o sexo então, nem se fala. Praticamente todos os dias. E, claro, ela nunca fez fio-terra em mim.

Gostaria de saber opiniões sobre o assunto…  Sou muito seguro de mim. Não me sinto menos homem.”

Marcelo Tabu já foi contactado e falará sobre a masturbação anal no Baú GPA. Aguardem!

 

Vale a pena conferir também:

Comentários

  1. Landualdo disse:

    Concordo com você, pelo fato de você senti prazer no sexo anal necessariamente você não é homossexual para ser considerado homossexual você teria que senti desejo pelo mesmo sexo que não é o seu, coso os homens heterossexual não fosse tão preconceituosos em relação a isso poderiam senti bem mais prazer. Fico feliz em você ter compartilhado essa declaração.

  2. Arthur disse:

    Existem dois tecidos em nosso corpo masculino que são absolutamente iguais, ânus e boca. São mucosas e toda mucosa produz muco, o que já sabemos. Não é nada estranho essa lubrificação natural anal, é muco que assim como a boca serve para facilitar a entrada dos alimentos ou, no caso do ânus, a saída das fezes. Mas a quantidade é sempre inferior e depende da qualidade da estimulação.

  3. Nando disse:

    Apesar de casado (com homem), mesmo estando no armário, tenho dificuldade e mexer lá. Antes não sentia nenhum prazer, mas aos poucos isso está mudando!

  4. Augusto disse:

    Achei legal um hetero abordar este tema, de fato sempre soube que existe sim prazer anal, mas sempre tive dúvidas se ao se tocar o homem não imaginasse uma relação homo. E também acho que se todo mundo cuidasse de ouvir mais o seu corpo do que olhar para os tabus sociais, tudo seria mais simples e mais intenso.

  5. Silva disse:

    Eu adoro, eu me amarro.

Deixe um comentário